[Escrevendo Sobre] Relatos de um Mundo sem Luz e O Amuleto Perdido da Amazônia

Meus queridos e minhas queridas, tudo bem!?

É com muita satisfação que hoje vou “falar” um pouco sobre 2 obras que foram escritas na minha terra (Manaus). Mas antes, tem também o vídeo, se preferir ver o que eu acho por lá, segue o link -> http://youtu.be/Gmn93AQzKog

Bem, vamos começar com o “Relatos de um mundo sem luz” do Jan Santos.

evangeline

Jan Santos é estudante de Língua e Literatura Portuguesa na UFAM, tem 19 anos e estava presente na I Feira do Livro de Manaus, onde fizemos uma entrevista com ele e lá ele pode nos explicar como foi que virou escritor, do que se trata o universo criado por ele, suas dificuldades, influências e etc. Quem tiver maior curiosidade é só clicar aqui para assistir.

Relatos de um mundo sem luz é um conjunto de contos que nos apresenta o universo de Hélade, um lugar que não vê a luz do sol há mais 400 anos. E todas as histórias que irão ocorrer nesse universo participarão de uma sequência chamada de Evangeline (pelo o que eu entendi).

Eu gostei muito da escrita do Jan, mas ela é mais formal mesmo, densa, é necessário dar atenção para compreender o texto e interpretá-lo, digo isso principalmente para quem não tem o costume de ler livros mais adultos de fato.

Os contos são divididos em 3 partes e a cada começo de parte há o que seria a letra de uma canção (?!), foi o eu entendi pois o “autor” dessas palavras é um bardo, chamado Orfeu  XVIII, o que já nos remete aos mitos gregos, aliás o próprio nome Hélade é também grego.
E eu gostei muito dessas referências, são dicas do que podemos esperar, eis um trecho de uma canção que adorei:

“És fogo, força, és fúria
Diamante torto
Lapidando em moléstia e penúria

Acorrentado ao suplício, tu não és
Voa com o sol em tua cabeça
E a tempestade a teus pés

Estica as asas pelo ar
Pois não ressuscitas para morrer
Morres para ressuscitar”

Amei ❤

Já sobre os contos em si, meus preferidos foram O Peregrino e Sono de Adúltero.
Eu não quero falar a óbvia influência que tem sobre O Peregrino, porque pode soar como um spoiler, rs. Basta dizer que me encantei mesmo e que se trata de um observador daqueles que são rodeados pela morte.

E Sono de Adúltero é sobre uma feiticeira chamada Circe, e aqui faço uma declaração, eu adoro feiticeiras ❤ são sempre mulheres de personalidade forte, e Circe não é diferente 🙂

Gostei de muitos outros contos, não posso dizer que tem algum que não gostei, o que pode ter ocorrido é que em algum eu não compreendi a mensagem a ser deixada. Talvez eu preciso reler. Talvez eu preciso que o Jan tenha sucesso com alguma editora e lance logo o seu livro integral sobre a história de Hélade, rs. Porque fiquei muito curiosa como tantos personagens, contextos e tempos diferentes vão se encaixar em uma história só.

Mas já deu para perceber muitas influências dos contos fantásticos clássicos, e isso agrada o meu gosto, pelo menos.

A edição gente, como foi explicado na entrevista e citado no meu vídeo, é independente, ou seja o próprio Jan bancou a edição e as cópias. Talvez até por isso mesmo, que é uma edição muito simples; as folhas são brancas, não encontrei nenhum erro, pelo menos nenhum que possa atrapalhar a leitura, mas a diagramação é simples mesmo e a capa, apesar de simples, não conter aba, nem algo do tipo, ela é liiinda na minha opinião, gostei muito 🙂

E enfim, eu dei 4 estrelinhas no meu skoob para Relatos de um mundo sem luz, muito bom porque tem tudo para corresponder ao meu gosto pessoal de leitura, porque me deixou curiosa, porque gostei do jogo de palavras, porque tem contos incríveis. E só não dei 5 estrelas porque quero conhecer o universo de Hélade primeiro (de forma mais integra), saber como esses contos vão se relacionar a esse universo. Como vão se encaixar e etc. E além disso ainda vou precisar reler com mais calma para captar o que ainda não fui capaz, talvez.

Jan, como já citei, boa sorte e sucesso!

Ah, lembre de mim quando for lançar o seu próximo livro, deixe-me saber logo, porque vou querer, sem dúvidas, lê-lo quanto antes, rs *-*

Contato com o Jan Santos: https://www.facebook.com/relatos.de.um.mundo.sem.luz?fref=ts

E agora vamos para  “O Amuleto Perdido da Amazônia”.

Capa Amuleto Perdido Amazonia 16x21cm-01_FJTxra_thumb[1]

Esse livro eu adquiri na I Bienal de livros do Amazonas, que foi no ano passado, onde tive a oportunidade de conhecer o autor e também ter um livro autografado 😀

A história contada no livro se resume na busca por um amuleto perdido, que faz parte de uma lenda amazônica, chamado de muiraquitã.

Lenda do Muiraquitã

Lenda do Muiraquitã

Essa busca é feita por uma “ONG” internacional, “gringa” mesmo, que na verdade é uma empresa ilícita que se veste de ONG em prol a preservação da natureza para ter livre acesso aqui na região.

O verdadeiro interesse dessa empresa/ong é de explorar e praticar a biopirataria na região da amazônia, fazer pesquisas com o nosso material, criar medicamentos, entre outras utilidades, vender esses produtos e lucrar sem nunca fazer referência a matéria-prima e nem pagar qualquer patente.

Esse é um assunto problema da nossa região mesmo, são vários os relatos que ouvimos sobre essas tantas ongs gringas que vem para cá e não há uma fiscalização eficaz por parte do nosso governo, do nosso país.

Enfim, há essa empresa e há um grupo de pessoas, e esse grupo de pessoas tentam impedir o sucesso dessa empresa em encontrar o amuleto.

Tudo isso porque esse amuleto supostamente guarda diversos segredos, entre eles o segredo da imortalidade humana.

Para que não caia em mãos erradas há muita ação, agentes secretos, explosões e armas secretas e etc.

O que eu achei legal no livro?

– Muitas referências a nossa região, fatos históricos e lendas populares daqui,  o que abrangeu meu conhecimento, sobre a região, afinal, não é porque nasci e moro aqui que eu conheço todas as lendas e fatos históricos.

– Um aprofundamento sobre as lendárias Amazonas, amo essa lenda ❤

– Teixeira conseguiu descrever algo muito próximo do que eu acho das mulheres amazonenses, com a personagem Ângela, na questão mais emocional mesmo e comportamental. Horas se demonstrando independente e que não liga para romances, horas se entregando e abrindo a boca para falar o que acha mesmo sobre aquela tal situação, rs. Claro que isso, não se encaixa a todas, nem sei se se encaixa a mim, mas é pelas histórias que costumamos escutar por aqui mesmo.

– E é sempre bom ver um aventura ocorrendo em nossa terra.

O que eu não gostei?

– Bem, essa coisa com agentes secretos, muita ação, explosões e armas sei lá o quê, não faz muito meu estilo, não me cativa mesmo. Aqueles momentos em que os personagens estão com um problemão nas mãos e de repente é solucionado por arma secreta, por um botão escondido no relógio (ou o que equivalha)… enfim… muuuito difícil de gostar de algo do tipo. (O que não quer dizer que eu nunca vou gostar de algo assim…).

– Os capítulos curtos e toda essa ação em algumas horas me lembrou muito Dan Brown. E… eu não curto Dan Brown 😡 Mas eu sei que isso é muito pessoal, e que uma grande maioria adora os livros dele.

– O romance! Apesar da Ângela ser uma pessoa até interessante, o romance entre ela e o Samuel não me convenceu mesmo. Não me cativou. Não gosto desse tipo de romance que em algumas horas já há uma intimidade absurda, onde há aquelas cenas constrangedoras, onde eles estão fugindo de balas ou algo do tipo e de repente um repara no corpo do outro e pensam o quão ele/ela é atraente. Sério, não faz sentido para mim. E tem falas do Samuel, que se eu fosse a cortejada, sem dúvidas faria uma careta enooorme e até me atreveria a dar um tapa na cara dele, haha. Muito inconveniente, na minha humilde opinião, é claro.

Enfim, agora falando sobre a edição, a minha é da Canapé Editorial, nela contem alguns erros de diagramação, por exemplo, uma frase que era para estar no início do próximo capítulo está no final do anterior. Mas sobre isso, o escritor me falou que ele não trabalha mais com a Canapé Editorial, parece que teve alguns problemas lá mesmo, e que agora trabalha de forma independente. Tem o e-book na saraiva já com os devidos consertos.
Mas a capa é bem legal, né? Eu adorei 🙂

Dei 3 estrelinhas no meu skoob para “O Amuleto Perdido da Amazônia” porque adorei adquirir mais conhecimentos sobre a região que moro, adorei ver um autor daqui escrevendo uma aventura, uma ficção um tanto diferente do convencional regional. Mas o gênero não é muito do meu gosto, como já expliquei, também.

Espero que vocês tenham gostado das dicas de hoje.

Aos autores se falei alguma besteira, me perdoem, isso aqui não é nada com intenção profissional, longe disso. Os leitores daqui já sabem, se não, estão sabendo agora, que isso tudo são apenas minhas opiniões como uma leitora bem comum, sem intenção de uma crítica profunda e jornalística, meeesmo.
Moral da História!: Experimentem! É muito bom ler algo diferente do convencional, do que é mais popular, pois é se sentir como um dos primeiros exploradores, um desbravador de novos mundos, e aproveitem, porque de repente, daqui a pouco, um desses autores estará fazendo muito sucesso *-* 😉

Abraços Fraternos e Até mais! 😀

Anúncios

Sobre vanessacorrea87

Em uma frase resumo toda minha paixão e sede por livros, filmes, mitos, filosofia, psicologia, ciência, tecnologia e afins: "Portanto, mais importante do que o que se foca, vê, lê ou ouve é o que se desperta, de si mesmo, na medida em que se foca, vê, lê ou ouve." JT E é nisso que eu acredito e pauto o meu viver! :)
Esse post foi publicado em Sobre Livros. Bookmark o link permanente.

Deixe o seu comentário.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s